Confusão, vandalismo, incêndio e detenções marcam a apuração das escolas de samba de São Paulo

Do UOL, em São Paulo

Um tumulto durante a reta final da leitura das notas das escolas de samba do Carnaval de São Paulo nesta terça-feira (21) interrompeu a apuração do resultado da campeã de 2012. Um homem invadiu a área restrita dos jurados e rasgou os envelopes que continham as notas. Depois de terem sido dispersados pela polícia, manifestantes tomaram as pistas da Marginal Tietê, em sua maioria da Gaviões da Fiel, e depredaram a área externa do Anhembi, mesmo sob vigilância da Tropa de Choque da PM.

No momento da confusão, a Mocidade Alegre estava a apenas uma nota 9.9 do título, enquanto as escolas Camisa Verde e Pérola Negra seriam rebaixadas. Mais tarde, a pontuação foi confirmada em uma polêmica votação entre as escolas da liga, o que deu o título para a Mocidade e rebaixou a Camisa Verde e Branco e a Pérola Negra, cujo presidente afirmou que vai recorrer da decisão. No Grupo de Acesso, a vencedora foi a escola Nenê de Vila Matilde, que retorna à elite do samba paulistano junto com a Acadêmicos do Tatuapé.

Incêndio, vandalismo e detenções
Em meio ao tumulto, houve um incêndio nos carros alegóricos da Pérola Negra que estavam no pátio do Sambódromo. De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o fogo teve início por volta das 18h, causado por um coquetel Molotov lançado do lado de fora do Anhembi, supostamente por integrantes da Gaviões da Fiel, e foi controlado em cerca de 10 minutos. Quatro viaturas foram enviadas ao local, mas não houve feridos.

Irritado, Edilson Casal, presidente da escola Pérola Negra, afirmou ao UOL que faria o mesmo com os carros de outras escolas. "Queimaram o meu, agora vou queimar o dos outros". Mais tarde, após a confirmação do título e rebaixamento, ele afirmou que foi procurado pela diretoria da Gaviões da Fiel, que se comprometeu a indenizar a Pérola Negra pelo prejuízo com o carro alegórico.

Polêmica sobre a escolha dos jurados
A presidente da Mocidade Alegre, Solange Bichara Rezende, disse ao UOL que o tumulto não é com a escola de samba. "Os outros presidentes e diretores das outras escolas me ligaram para parabenizar", disse ela. "A questão é como foi feita a escolha dos jurados este ano". Apesar disso, o impasse em relação à decisão de quem era a campeã esfriou o clima de festa na quadra da Mocidade, que chegou até a cancelar a comemoração, depois retomada com menor intensidade, já na madrugada de quarta (22).

  • Arte UOL

    Quando a confusão começou, a escola Mocidade Alegre estava na frente, seguida pela Rosas de Ouro e Vai-Vai. Faltavam apenas duas notas do último quesito, Comissão de Frente, para sair o resultado da vencedora do Carnaval

Quando a confusão começou, a escola Mocidade Alegre estava na frente, seguida pela Rosas de Ouro e Vai-Vai, escolas que contestam a troca de jurados. Faltavam apenas duas notas do último quesito, Comissão de Frente, para sair o resultado da vencedora do Carnaval

Antes do início da apuração, houve uma reunião entre os diretores das escolas para discutir a substituição de última hora de dois jurados, que teriam se sentido mal às vésperas da primeira noite de desfiles, sexta-feira. A mudança desagradou alguns diretores, mas o consenso ao final da reunião foi de que as notas do jurado substituto não seriam descartados. A apuração começou com cerca de vinte minutos de atraso.

Outro ponto de discórdia anterior foi o fato de que em 2012 a seleção para jurados de Carnaval sofreu mudanças. Foi aberto concurso público para o cargo, o que causou a insatisfação de alguns membros de escolas de samba.

Invasores detidos
De acordo com o delegado da Delegacia de Atendimento ao Turista (Deatur), Osvaldo Nico Gonçalves, foi confirmada a prisão de Tiago Ciro Tadeu Faria, 29 anos, que teria iniciado toda a confusão e, segundo a polícia,  é diretor da Império de Casa Verde. Paulo Ferreira, vice-presidente da escola, nega. “É uma pessoa com a camiseta da escola, não é da diretoria. Culpar a gente de tudo também não dá. Viemos em um carro com oito pessoas somente”.

Entre 2002 e 2004, Tiago já havia cumprido pena por roubo, receptação, porte de arma, formação de quadrilha e dano ao patrimônio público. O advogado de defesa de Tiago, Eduardo Moraes, diz que o suspeito só foi condenado anteriormente por furto, em 2001: "Em nenhum momento ele negou o crime pelo qual está sendo acusado. Juridicamente ele poderá responder o processo em liberdade". Moraes disse que vai entrar com pedido de liberdade para seu cliente. O acusado também já fez um ensaio sensual para uma revista adulta. Ele foi encaminhado para a Cadeia de Pinheiros.

Gonçalves disse  que Cauê Santos Pereira, 20 anos, da Gaviões da Fiel, também foi preso. E mais cinco pessoas suspeitas de terem incendiado o carro alegórico da Pérola Negra também foram detidas.

Já na madrugada de quarta (22), foi detido um suposto integrante da Rosas de Ouro, que se envolveu em uma briga com os seguranças do Anhembi ao tentar roubar o troféu de 5º lugar do Carnaval paulistano, que estava amassado e guardado em uma área reservada.


Punição exemplar
Um comportamento inadequado por parte de algum membro de escola de samba durante a apuração pode eliminá-la da competição no Carnaval. A regra faz parte do Regulamento dos Desfiles do Grupo Especial das Escolas de Samba de São Paulo.

Essa regra pode mudar a situação da Império de Casa Verde e da Gaviões da Fiel. Cada escola teve um membro preso na tarde desta terça-feira (21), após tumulto durante a apuração no Sambódromo. A reunião das escolas de Liga que definiu o resultado do Carnaval não deliberou sobre punições para escolas, o que ainda pode ocorrer nos próximos dias.

* (Com informações de Etienne Jacintho e Larissa Baroni)



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos