Aprenda os sambas-enredo do Grupo Especial do Rio de Janeiro

DO UOL, em São Paulo

Inocentes de Belford Roxo -  "As Sete Confluências do Rio Han"
Compositores: Dominguinhos, Mará, Billi Conty, Ildo dos Santos, Juarez Rosseto, J.J Santos

Chegou o grande dia
É o despertar de um sonho especial
Rufam os tambores na avenida
Coreia do Sul se faz Carnaval
E… as sete confluências vão fluir
Peço águas tranquilas pra seguir
Para a deusa do vento a proteção
Rosa de Sharon
Recomeço e transformação
O respeito aos seus ancestrais
Refletem nos antigos rituais
Um rio de amor me leva
O destino soprou saudade
Um porto seguro o fututo revela
Um bom retiro de esperança e liberdade
Sinto a emoção
Em cada expressão
Da cultura popular
Navegar, mudar a direção
Num toque se comunicar
A fé refletida na paz de um olhar
És um belo exemplo a seguir
Um caminho de luz a trilhar

e lá vou eu…
colhendo os frutos dessa linda união
braços abertos a imigração
50 anos nessa pátria mãe gentil
coreia do sul
tuas águas cristalinas são espelhos
na cadência da baixada
desaguam no meu rio de janeiro
Meu oriente é você
vim mostrar o meu valor
inocentes, razão do meu viver
avante cidade do amor 
 
 

Acadêmicos do Salgueiro - "Fama"
Compositores: Marcelo Motta, João Ferriera, Gê Lopes, Thiago Daniel

Tá na capa da revista o meu pavilhão
E na cara dessa gente, o orgulho, a emoção
Vermelha paixão no peito
Tem banca, moral, respeito!

Tenho fama
De fazer história por ser diferente
Quem me ama é parte das páginas que escrevi
Quero sim, eternizar a minha vida
Meu nome outra vez na avenida
Porque sempre foi assim ...
Escribas selavam destinos
Mostravam o deus vivo, eterno poder
Nos versos de tantos poetas
Em Alexandria a grande expressão do saber
Noite encantada, se fez mascarada pela emoção
É bela ou fera? se você quer saber espera

Pra ver o quê? O traço do pintor
Que o "astro" rei Luis retratou
Tá na galeria, em museus
"Imagine", teve gente se achando mais que Deus

No embalo do som das canções
Causar histeria, arrastar multidões
Revolucionar com os seus ideais
Imagem que o tempo não apaga jamais
Se vacilar, cair na rede, vão criticar ... o que é que tem ?
Vida de celebridade é um vai e vem
Vem cá meu bem, ajuste o foco, vou nessa foto
Te revelar para o mundo inteiro
Sou eu o artista, famoso sambista
Me chama Salgueiro

Tá na capa da revista o meu pavilhão
E na cara dessa gente, o orgulho, a emoção
Vermelha paixão no peito
Tem banca, moral, respeito! 


Unidos da Tijuca - "Desceu num raio, é trovoada! O Deus Thor pede passagem para mostrar nessa viagem a Alemanha encantada"
Compositores: Totonho, Julio Alves, Dudu, Elson Ramires

Um raio rasgando o céu
Cruzou o Borel. É trovoada!
Na velocidade da luz o filho de Odin
Anuncia a Alemanha encantada
Na fantasia de um mundo imortal
Seres, magia do meu carnaval
Pela floresta surge um olhar
Mistérios que bailam no ar
Tijuca querida razão da minha vida
Balança o povo, embala a emoção
E mexe com meu coração

Vai brilhar em cada cinema o anjo, sonhar
Em prosa e poema, se eternizar
Feito a sinfonia, legado alemão
Deixado à civilização
No mundo da imaginação era uma vez
O conto de fadas, no reino encantado
A infância mais feliz quem fez?
Eu vi a criança em sua ilusão
Erguer um castelo, brinquedo na mão
A mente humana liberta
Desperta o grande inventor
Que move o tempo e faz
Da vida um motor a girar
Brasil e Alemanha "unidos"
Bandeiras, culturas, saber
Vai trovejar, um ano pra não esquecer
Deus Thor me chamou, vou nessa viagem
Que felicidade, é festa, meu bem
Metade do meu coração é Tijuca
A outra metade Tijuca também


União da Ilha - "Vinícius no plural. Paixão, poesia e carnaval"
Compositores: Júnior, Ginho, Vinicius do Cavaco, Eduardo Conti, Professor Hugo, Jair Turra

Surgiu, ao som do mar, um poeta
que brincava na areia
na ilha um menino, sempre a sonhar
fez da sua vida um poema
e viveu a declamar
"como é bom se apaixonar"!
Ó pátria amada, recebe esse menestrel!
Voz do morro na folia, orfeu chegou, raiou o dia!
Levou a bossa no "tom" d'alegria
se é canto de ossanha menina, então não vá!
Um berimbau vai ecoar...
Vem, meu camará!

"menininha me chamou... Vou pra bahia
sou da linha de xangô... Caô meu guia
odoyá... Yemanjá!
A benção meu pai oxalá!"

ê jangada... Na luz da manhã já vai navegar
segue pra itapuã, no brilho do sol... É bom vadiar!
Um jeitinho que fascina
num doce balanço que não tem igual
quando abrir a arca de noé...
Um riso de criança em cada olhar
enfim, o que importa é amar
a noite é sua passarela
o show não pode parar

onde anda você..."poetinha"?
Saudade mandou te buscar
a ilha é paixão na avenida
mais que nunca é preciso cantar! 


Mocidade Independente - "Eu vou de mocidade com samba e rock in rio - por um mundo melhor"
Compositores: Moleque Silveira, Marquinho Índio, Gustavo Henrique, Jefinho Rodrigues, Jorguinho Medeiros, Domingo PS

Em verde e branco reluziu
Um sonho de amor e liberdade
Da lama então, a flor se abriu
Cantei a paz, a igualdade
Estrelas mudam de lugar
A minha popstar chegou rasgando o céu
Num big bang musical
Faço meu carnaval, eu sou Padre Miguel
A vida é um show, Maraca é vibração
''É o samba/rock meu irmão''

Pandeiro e guitarra, swing perfeito
Não tem preconceito, a nossa união
Meu baticumbum é diferente
Não... Não existe mais quente

Música me leva...
O meu destino é a alegria desse mar
Vou pra Lisboa, eu vou na boa
E numa só voz ecoar
Muito mais que um som pra curtir
Conquistei a Arena de Madrid
Meu Rio... Voltei morrendo de saudade
Na Apoteose é nova edição, overdose de emoção

Uma onda me embala, invade a alma
No peito explode a minha paixão
Um mundo melhor... Que felicidade
No Rock in Rio eu vou de Mocidade


Portela - "Madureira... Onde meu coração se deixou levar"
Compositores: Toninho Nascimento, Wanderley Monteiro, Luiz Carlos Máximo, André do Posto 7

Abre a roda, chegou Madureira
A poeira já vai levantar
O batuque ginga ioiô
Ginga iaiá

E lá vou eu cantando com a minha viola
O amor tem seus mistérios
Por onde me deixo levar
Laiá
Nossa história começa por lá
No engenho da fazenda
Dos cantos de "canaviá"

Bate o sino da capela
Ôi… que é dia de santo, sinhá

Tem mironga de jongueiro
O tambor me chamou pra dançar

Tempo rodou na roda do trem e veio
A inspiração do partideiro
Que versou no Mercadão
Foi nesse chão
Que a estrela brilhou no tablado
O "Madura" pisou no gramado
O malandro charmoso dançou
No pagode com outro gingado
Quando o bloco chegou
Agitou o suingue do black
E a nega baiana girou

Cai na folia, sem grilo, meu bem vem na fé
Na ilusão da fantasia
Vai como pode quem quer

Surgiu a serrinha imperial
Em outros caminhos para o mesmo ritual
Portela, meu orgulho suburbano
Traz os poetas soberanos nesse trem para cantar
Que Madureira é muito mais do que um lugar
É a capital de um sonho que me faz sambar

Abre a roda, chegou Madureira
A poeira já vai levantar
O batuque ginga ioiô
Ginga iaiá


São Clemente - "Horário Nobre"
Compositores: Floriano do Caranguejo, Guguinha, Sacadura Cabral, Nelson Amatuzzi, Victor Alves, Fabio Portugal, Gabrielzinho Poeta

Nem adianta me ligar agora
Eu estou grudado na tela
Antiga história de amor
Orgulho da gente
Ajeita a poltrona, chegou... São clemente!
No espelho, a magia atravessa gerações
Está no ar a mística das grandes emoções
Coragem irmãos, que a viagem
Tem os dramas da vida que imita a arte
As lutas de um povo e suas bandeiras
Amores e risos por todas as partes

Dance bem, dance mal, dance sem parar
Roque quer sambar... Não é brinquedo não
Quero ouro, muito dez, inshalá
O astro na imagem da televisão

Bem lembro a me seduzir
A morena sensual gabriela
Fogosa tieta e a doce isaura
Branca escrava, tão bela
Em bole-bole quem não viu?
Dona redonda explodiu!
Segura a peruca, perpétua
Odete, chegou sua hora
O brasil parou! Quem matou?
Já vai terminar do jeito que eu quis
Vilão não tem vez, final feliz

Olha quem chegou, sinhozinho malta
Viúva porcina sambando igual mulata
Milhões de imortais também presentes
Na tela da são clemente 


Mangueira - "Cuiabá: um paraíso no centro da América!"
Compositores: Igor Leal, Paulinho Carvalho, Lequinho, Júnior Fionda

Dai-me inspiração oh Pai!
Pois em meus versos quero declamar
A capital da natureza, eternizar
Embarque na Estação Primeira
O mestre a nos guiar
Bambas imortais, o eldorado dos antigos carnavais
Num relicário de beleza sem igual
Fonte de riqueza natural
Cidade formosa... verde... rosa
Teu nome reluz, Vila Real do Bom Jesus

O apito a tocar preste atenção!
Mistérios e lendas de assombração (bis)
Segui com coragem, mostrei meu valor
Eu sou Mangueira a todo vapor

Em cada lugar, um "causo" que o povo contou
Em cada olhar, na arte num poema brilhou
Um doce sabor, tempero pro meu paladar
Procure seu par, a festança vai começar
Na benção de São Benedito eu vou
Dançar com o meu amor, o sonho enfim chegou
Ao paraíso, emoldurado em cintilante céu azul
Bendita sejas terra amada!
No coração da América do Sul
É hora de darmos as mãos
Agora seguir na missão
Sustentar na mesma direção

Mangueira no trem da emoção
Viaja na imaginação (bis)
Teu samba é madeira, é jequitibá
É poesia dedicada a Cuiabá


Beija-flor -  "Amigo fiel, do cavalo do amanhecer ao mangalarga marchador"
Compositores: J. Velloso, Claudio Russo, Miguel, Silvio Romai, Ribeirinho, Dilson Marimba, Gilberto Oliveira, Marquinho Beija-Flor

Sou Manga Larga Marchador!
Um vencedor, meu limite é o céu!
Eu vim brilhar com a Beija-Flor..
Valente guerreiro, amigo fiel!

Eu vou cavalgar, pra encontrar
A minha história nesse mundo de meu Deus!
Venho de longe de uma era milenar,
fui coroado quando o dia amanheceu!
Brilha, estrela guia... Um viajante, a sua sede a matar!
Presente de grego, que grande ironia
Herói das batalhas, real montaria!
Com asas surgiu do infinito, tão claro mito..
A joia rara de Alah!
Cigano... Buscando a purificação!
Trotando elegância e bravura,
A minha aventura se torna canção!

É o bonde que vai, carruagem que vem...
Na viagem que trás, o amor de alguém!
Indomável corcel, alazão da coroa...
troféu da nobreza, estrela que voa!

Amigo do Rei, pela estrada lá vai o Barão!
Sul de Minas Gerais, galopei...
A riqueza da mineração!
Café me fez marchar... Ao rio da corte a bailar!
Acreditar... Que fui a raça escolhida!
Sou um puro sangue azul e branco,
um acalanto... a mais sublime criação!
Sou eu o seu cavalo de batalha,
se a memória não me falha...
Chegou a hora de gritar é campeão!

Sou Manga Larga Marchador!
Um vencedor, meu limite é o céu!
Eu vim brilhar com a Beija-Flor..
Valente guerreiro, amigo fiel!


Grande Rio - "Amo o rio e vou à luta: ouro negro sem disputa... Contra a injustiça em defesa do rio"
Compositores: Mingau, Deré, Arlindo Neto, Junior Fragga, Mingauzinho

Um grande rio de amor sou eu
Vem cá, me dá o que é meu, é meu

Vem, vem comigo cantar
Hoje vou mergulhar profundo
Tem lá no fundo do mar
Ouro pra alimentar o mundo
Que faz crescer, impulsionar
O conhecer multiplicar
Tão lindo pela própria natureza
Meu rio faz gerar tanta riqueza
Mais tem que ser assim
Bom pra você, bom pra mim

Uma eterna paixão de enlouquecer
Minha escola é meu bem querer
Felicidade em alto astral
É o ouro negro nosso carnaval

Vou, jogar a rede e puxar
Vem, me dar um beijo amor
Na praça ouvindo o sino tocar
Preservar é dar valor
Eu quero um lugar pra viver
Segurança e saúde pra dar e vender
E assim reciclando eu vou
Ver a vida renascer....
É a mensagem taí
Explorar não é destruir
Se faltar vira o cáos
Não posso deixar
Pelo rio eu vou lutar

Um grande rio de amor sou eu
Vem cá, me dá o que é meu, é meu 


Imperatriz  Leopoldinense - "Pará - o muiraquitã do Brasil. Sobre a nudez forte da verdade, o manto diáfano da fantasia"
Compositores: Maninho do Ponto, Gil Branco, Drummond, Tião Pinheiro

Raiou Cuara!
Oby aos olhos de quem vê!
Eu bato o pé no chão, é minha saudação,
Livre na pureza de viver!
Sopra no caminho das águas
O vento da ambição!
O índio, então...
Não se curvou diante a força da invasão,
Da cobiça fez-se a guerra,
Sangrando as riquezas dessa terra!
Cicatrizou, deixou herança,
E o que ficou está em cartaz...
Na passarela, "estado" de amor e paz!

Siriá... Carimbó... Marujada eu dancei!
No balanço da morena... Me apaixonei!
O bom tempero pro meu paladar...
De verde e branco "treme" o povo do Pará!

A arte que brota das mãos,
Dom da criação, vem da natureza...
Da juta trançada em meus versos
Se faz poesia de rara beleza!
Oh! Mãe... Senhora, sou teu romeiro,
A ti declamo em oração:
Oh! Mãe... Mesmo se um dia a força me faltar,
A luz que emana desse teu olhar
Vai me abençoar!

No Norte a estrela que vai me guiar,
Exemplo pro mundo: Pará!
O talismã do meu país,
A sorte da Imperatriz!


Vila Isabel - "A vila canta o Brasil, celeiro do mundo - Água no feijão que chegou mais um"
Compositores: Arlindo Cruz, Martinho da Vila, Leonel, André Diniz, Tunico da Vila

Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem plantar
Felicidade no amanhecer
Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem colher
Felicidade no amanhecer

O galo cantou
Com os passarinhos no esplendor da manhã
Agradeço a deus por ver o dia raiar
O sino da igrejinha vem anunciar
Preparo o café
Pego a viola, parceira de fé
Caminho da roça e semear o grão
Saciar a fome com a plantação
É a lida...
Arar e cultivar o solo
Ver brotar o velho sonho
Alimentar o mundo, bem viver
A emoção vai florescer

Ô muié, o cumpadi chegou
Puxa o banco, vem prosear
Bota água no feijão, já tem lenha no fogão
Faz um bolo de fubá

Pinga o suor na enxada
A terra é abençoada
Preciso investir, conhecer
Progredir, partilhar, proteger...
Cai a tarde, acendo a luz do lampião
A lua se ajeita, enfeita a procissão
De noite, vai ter cantoria
E está chegando o povo do samba
É a vila, chão da poesia, celeiro de bamba
Vila, chão da poesia, celeiro de bamba

Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem plantar
Felicidade no amanhecer
Festa no arraiá
É pra lá de bom
Ao som do fole, eu e você
A vila vem colher
Felicidade no amanhecer 

Veja também



Shopping UOL

UOL Cursos Online

Todos os cursos