Rio de Janeiro

Unidos da Tijuca e Salgueiro arrebatam Sapucaí lotada

Anderson Baltar

Colaboração para o UOL, do Rio

Depois desse domingo, pode-se afirmar, sem medo de errar, que o Rio de Janeiro respira Carnaval. Uma multidão tomou conta de todos os espaços da Passarela do Samba para assistir as passagens de duas das principais candidatas ao campeonato de 2016. As vizinhas Unidos da Tijuca e Acadêmicos do Salgueiro fizeram ótimos ensaios, com desempenhos convincentes de seus sambas e empolgaram o imenso público que lotou todos os setores de tal forma que a Liesa (Liga Independente das Escolas de Samba) fechou todos os portões do Sambódromo por volta das 20h30.

Ouça os melhores momentos da Tijuca cedidos pela Rádio Arquibancada

Três vezes campeã nos últimos cinco anos, a Unidos da Tijuca vai para o seu segundo Carnaval sem a presença de Paulo Barros, principal artífice das vitórias de 2010, 2012 e 2014. Porém, ao contrário dos últimos anos, a azul e amarela do morro do Borel tem um outro tipo de trunfo: o seu belíssimo samba. De autoria de compositores do quilate de  Dudu Nobre, Gusttavo Clarão e Zé Paulo Sierra, a obra, de melodia inspirada e um tanto dolente, apresentou-se na Sapucaí com grande vigor. Em todas as alas, o canto foi uníssono em todas as partes da letra, o que contagiou as arquibancadas.

A bateria de Mestre Casagrande foi outro dos destaques do ensaio da escola tijucana. O contingente, que acumula notas 10 sucessivas nos últimos carnavais, mostrou grande entrosamento e levantou as arquibancadas com sua apresentação. A atriz Juliana Alves reinou com muita simpatia, beleza e samba no pé.  O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Julinho e Rute, mostraram-se entrosados e dispostos a recuperar as notas máximas que escaparam em 2015. A Unidos da Tijuca saiu da avenida com um handicap considerável e deixa sua torcida com a impressão de que sonhar com um desfile campeão é perfeitamente viável, mesmo com o fato da escola encerrar o desfile de domingo.

Ouça os melhores momentos do Salgueiro cedidos pela Rádio Arquibancada

Embalado pelo refrão mais cantado no pré-Carnaval, o Salgueiro entrou na Sapucaí nos braços do povo. Um mar de camisetas vermelhas tomava conta das arquibancadas desde o final da tarde aguardando o momento de entoar os versos "É que eu sou malandro, batuqueiro/Cria lá do morro do Salgueiro". Como de se esperar, o refrão contagiou a Marquês de Sapucaí desde o primeiro instante em que foi entoado pelos intérpretes Leonardo Bessa e Serginho do Porto (com participação especialíssima de Xande de Pilares no carro de som). O resto do samba foi cantado com menor entusiasmo pelo público, mas defendido com maestria pelos componentes.

Exaltando a malandragem carioca, o Salgueiro deu um show de animação pelas alas, que mantiveram a animação durante todo o cortejo. A comissão de frente, de Hélio e Beth Bejani, arrancou muitos aplausos da plateia, assim como a ala comandada por Carlinhos Coreógrafo e o bailado da ala das baianas, que desfilou com uma belíssima fantasia. O casal de mestre-sala e porta-bandeira, Sidclei e Marcella Alves, fez uma apresentação segura e bastante aplaudida, assim como a bateria de Mestre Marcão, que contou, mais uma vez, com um show de Viviane Araújo à frente de seus ritmistas.

Abrindo a noite, a Unidos do Viradouro, da Série A, mostrou que está pronta para disputar a única vaga na elite do samba em 2016. Rebaixada no carnaval passado, a vermelho e branco de Niterói apresentou seu belíssimo samba para o enredo "O Alabê de Jerusalém" e também foi muito aplaudida pelas arquibancadas. Os ensaios técnicos para o Carnaval 2016 terminam no próximo final de semana. No sábado (30), São Clemente e Imperatriz Leopoldinense se apresentam. No domingo (31), a Beija-Flor de Nilópolis, atual campeã, fará o tradicional teste de som e luz da avenida. 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos