Salvador

É o Tchan contas as horas para voltar à badalação do Carnaval de Salvador

Ana Cora Lima

Do UOL, no Rio

Enquanto Beto Jamaica fala com rapidez e a empolgação de um novato, Compadre Washington se mostra aquele baiano do tipo sem pressa, mas com o mesmo entusiasmo do parceiro. Líderes do É o Tchan, a dupla conta as horas para o início do Carnaval em Salvador por dois motivos: a volta ao badalado Circuito Dodô (Barra/Ondina) depois de dez anos e a possível escolha de "Bota a Cara no Sol" como música da folia baiana.

"Esse festa vai ser massa! Estamos felizes e ansiosos também porque vamos voltar a puxar a pipoca na Barra e isso estava faltando para É o Tchan desde o nosso retorno há cinco anos. A pipoca é o desfile dos trios sem cordas, sem abadás, que é a melhor coisa do Carnaval baiano. É cantar para o povão", contou Beto Jamaica. Além do grupo, outros artistas como Ivete, Bell Marques e Harmonia vão abaixar as cordas para atrair uma audiência mais popular, mais local. 
 
"No trio sem cordas todo mundo participa, todo mundo brincar. Felizmente esse ano, a organização pensou mais nas pessoas que, mesmo em uma situação difícil financeiramente, querem se divertir, elas querem curtir o Carnaval. Eu sou fã da pipoca", assumiu Compadre Washignton.
 
A banda vai comandar 12 apresentações: oito em Salvador, duas nas cidades baianas de Belmonte e Porto Seguro, e duas nas cidades cearenses de Aracati e Cascavel. Uma maratona que não assusta os dois cantores, que entre idas e vindas já estão juntos há 24 anos. "Começamos juntos no início da década de 90. Em 2001, eu disse para o Compadre que queria descansar, queria voltar a compor e fazer outras coisas. Coisas de aquariano. E aí ele disse que ia sair também e aí foi aquela briga de quem vai sair primeiro", entregou Beto as gargalhadas.
 
Reprodução/Instagram
Compadre Washington diz que é fã dos trios sem cordas. "Todo mundo pode brincar"
Compadre Washington lembra que a dupla tinha assinado um acordo sobre uma volta no futuro não muito distante para segurar o 'tchan', e foi o que aconteceu em 2011. "Foram dez anos separados e, quando voltamos, não voltamos com aquela intuição de que iria dar certo. Foi tudo muito pensado, com muito cuidado. Um show aqui, um show ali e graças a Deus tudo se encaixou de novo. É lindo você reviver essa emoção de estar no "É o Tchan" e ter o público cantando as suas músicas.
 
E a música do momento da banda é "Bota a Cara no Sol". Desde que foi lançada em outubro, ela virou um hit do verão baiano e concorre ao título de música do Carnaval 2016. "Ficamos surpresos com a escolha porque a nossa intenção não era concorrer na folia e sim fazer uma canção alegre, com uma mensagem positiva e colocar no novo disco. Todo mundo canta! Nós estamos muito felizes. Vamos ver o que acontece", explicou Beto, e Compadre concordou. " A nossa música explodiu e isso não tem preço".
 
Sobre o repertório da banda neste Carnaval, Beto tratou de avisar que a prioridade é tocar os clássicos. " 'A Dança da Cordinha', 'Pau que Nasce Torto', 'Pega no Bumbum' e outras. Eles [clássicos] não podem faltar e o engraçado é que a gente vê um público bastante jovem cantando, dançando as coreografias. Acho que esses meninos e meninas conheceram o nosso trabalho através dos pais, e é isso que nos mantém. Estamos atravessando gerações", finalizou. 

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos