Salvador

Lembra dela? Amelinha de "Frevo Mulher" está na ativa e cantará no Carnaval

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

  • Divulgação

    A cantora Amelinha, que se apresenta nesta sexta de Carnaval (5) em Fortaleza

    A cantora Amelinha, que se apresenta nesta sexta de Carnaval (5) em Fortaleza

Voz e musa inspiradora de "Frevo Mulher", um dos grandes clássicos do Carnaval nordestino, Amelinha não guarda ressentimento por ter ficado tanto tempo longe dos holofotes. Foi uma questão de escolha. "Você tem que ter estrutura para se manter. E eu sou meio lenta para isso. Antes do projeto 'Janelas do Brasil', fiquei quase dez anos sem lançar. Preferi não aceitar convites que desviassem do meu repertório", conta a cantora ao UOL, que este ano comemora 40 anos de carreira.

Os festejos começam oficialmente nesta sexta (5), quando ela se apresenta no Carnaval de Fortaleza, na praia de Iracema, ao lado do bloco Luxo da Aldeia. Chance de relembrar sucessos como "Foi Deus que Fez Você", "Mulher Nova, Bonita e Carinhosa..." e "Flor da Paisagem", além, claro, de "Frevo Mulher", também famosa pela versão de Elba Ramalho.

Divulgação
Amelinha e o ex-marido Zé Ramalho

Composta por Zé Ramalho em um quarto do hotel Plaza, no Rio, reduto de artistas nordestinos nos anos 1970, a música mistura frevo e forró em compasso acelerado e irresistível. Foi incluída no segundo disco da cantora, "Frevo Mulher", lançado em 1979. Virou trilha sonora obrigatória em discotecas e academias de ginástica no Rio de Janeiro.

"É um clássico de todos os Carnavais, das festas de São João, do Brasil inteiro", orgulha-se Amelinha, que explica a origem da enigmática letra. Trata-se de uma referência à época em que vários compositores iam pessoalmente até o hotel, onde também residia, para apresentar músicas para seu novo álbum. E, como sugere os primeiros versos, também para cortejá-la.

"Muitos iam até lá para me mostrar música, e naquela época tinha que mostrar ao vivo mesmo. Todo mundo tinha muito carinho comigo. Daí ele pensou que a pessoa ia lá não só porque queria que eu gravasse a música, e escreveu aquilo de que 'todos amam 'aquela mulher'", revela Amelinha, que continua ostentando a a cabeleira sacolejante da letra, ainda que sem aquela "trança toda vermelha".

"Sempre me encontrava com o Zé no restaurante do hotel. E ele pedia sempre para o maître avisar quando eu descesse. Então, resolvi pedir uma música. Primeiro, ele me mostrou 'Galope Rasante'. Depois, por intermédio do Geraldinho Azevedo, ele veio com 'Frevo Mulher'. Foi nesse tempo que comecei a namorar o Zé. Acabei ficando grávida quando o disco saiu."

Reprodução
Capa do álbum "Frevo Mulher" (1979)

Erroneamente lançada pela gravadora CBS como "Galope Rasante" na primeira prensagem do LP, a música começou a fazer sucesso apenas em 1980, quando foi lançada em compacto simples. Segundo Caetano Veloso e Gilberto Gil, "Frevo Mulher" é responsável por dar nova cara ao Carnaval de Salvador, que passou a se abrir a novos gêneros, antes da consagração do axé e da avalanche dos trios elétricos.

"Acho isso fantástico. Foi a explosão do primeiro momento da minha carreira", diz Amelinha, que está com a agenda lotada até setembro e, ainda este ano, planeja lançar três álbuns, para comemorar as quatro décadas de carreira. Um deles só com músicas do cantor Zeca Baleiro. "Estou superfeliz e plena. Estou ao estilo 'lá vem a Viradouro aí'. (risos)"

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos