Recife e Olinda

Galo da Madrugada calcula público de 2,5 milhões de pessoas

Felipe Branco Cruz

Do UOL, em Recife

O ponto alto do Carnaval do Recife (PE), sem dúvida, é o desfile do bloco Galo da Madrugada (6) no sábado pelo centro da capital pernambucana. De acordo com a organização, uma estimativa baseada em fotos aéreas calcula um público de 2,5 milhões de pessoas presentes no bloco - número semelhante ao do ano passado.

Chico Science, que se estivesse vivo estaria completando 50 anos, é o homenageado do bloco, que percorreu um trajeto de seis quilômetros de extensão, passando por seis ruas do centro do Recife com 30 trios e seis carros alegóricos. 

A concentração começou às 7h, próximo ao camarote da prefeitura. De lá, o trajeto até o local onde o Galo gigante de três toneladas e 27 metros, equivalente a um prédio de nove andares, fica tem aproximadamente dois quilômetros de distância. O bloco foi até a Rua do Sol e se dispersou na Rua do Imperador por volta das 18h.

Por volta das 9h da manhã, a reportagem do UOL percorreu todo o trajeto do Galo até a ponte Duarte Coelho, onde ocorre a apoteose do Galo, o símbolo máximo do bloco. Neste horário, ainda era fácil transitar pela avenida Dantas Barreto, por onde os 30 trios elétricos desfilaram. Por volta das 10h, os trios elétricos começaram o desfile, deixando intransitável todo o centro histórico do Recife.

Entre os carros alegóricos havia carros abre-alas com passistas dançando frevo e com fantasias inspiradas em Chico Science e, claro, vários grupos com clarins e trompetes tocando o frevo "Vassourinha", o mais famoso do carnaval. Entre as fantasias deste ano, destacaram-se a Mosquiteiro, para se proteger do mosquito Aedes aegypti. Mas teve de tudo, desde super-herois, passando por negas malucas e personagens de desenhos animados.

No total, segundo a organização foram 80 fantasias distribuídas nos seis carros. No carro Manguebeat, caranguejos, urubus e pessoas que trabalham no mangue integraram a cena. No carro Olinda, a explosão musical de Chico Science ficou à mostra com caracterizações que visavam lembrar o soul, funk, rock e hip-hop. 

Em 2016, cerca de três mil pessoas trabalharam no bloco mais famoso do Recife.

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos