Rio de Janeiro

Com famosos, mas sem craques, Grande Rio homenageia a cidade de Santos

Do UOL, no Rio

OUÇA O DESFILE COMENTADO:

Terceira colocada em 2015, a Acadêmicos do Grande Rio comemorou os 470 anos da cidade paulista de Santos com o enredo "Fui no Itororó Beber Água, Não Achei. Mas Achei a Bela Santos, e Por Ela me Apaixonei", do carnavalesco Fábio Ricardo. Quarta escola a entrar no sambódromo, já na madrugada desta segunda-feira (8), a verde, vermelha e branca trouxe seis carros alegóricos, dois tripés e 33 alas em sua tentativa de conquistar o inédito campeonato do Carnaval 2016 do Rio de Janeiro.

O Santos Futebol Clube teve papel importante no enredo, que lembrou craques como Pelé e Neymar, "ilustres ausências" do desfile. Os dois foram convidados para cair no samba com a Grande Rio, mas não puderam comparecer --o primeiro, por estar se recuperando de uma cirurgia, e o segundo porque teve jogo do Barcelona no domingo. O pai e a irmã do jogador vieram representando-o, como destaque do quarto carro, que homenageava a Vila Belmiro, estádio do Santos. A alegoria também contou com a presença dos atuais jogadores do time.

"É uma emoção", disse o pai de Neymar ao fim do desfile. "É uma grande escola, e poder participar e representar o Neymar é uma alegria. Ele ficou chateado por não poder vir, mas tinha compromisso profissional". Rafaella, irmã do craque, contou que foi sua primeira vez na Sapucaí. "Estou muito feliz, porque a escola está homenageando não só meu irmão, como também a cidade em que nasci. Adorei desfilar. Já quero ser até rainha de bateria", brincou.

Marcelo de Jesus/UOL
Paloma Bernardi estreia como rainha de bateria

Famosos

Como de costume, a Grande Rio colocou na avenida muitas famosas, como as musas Ana Hickmann, Thaila Ayala, Monique Alfradique e a nova rainha da bateria, Paloma Bernardi.

O santista Oscar Magrini veio no segundo carro, representando José Bonifácio, político nascido na cidade, que teve papel decisivo na Independência, ganhando a alcunha de "Patriarca da Independência". O carro reproduzia azulejos portugueses e outros elementos decorativos trazidos pelos colonizadores para a colônia.

A atriz Susana Vieira este ano não saiu no chão, à frente da bateria, mas como Rainha da Noite, em uma alegoria representando os ataques de corsários à cidade paulista. Em entrevista à Globo, Susana explicou que desfilou no carro a pedido da escola, mas que prefere sair no chão. "Me senti muito triste, assustada, não fui eu", disse. E pediu ao carnavalesco: "Ou ele volta a me por no chão, ou vou sair só na diretoria".

O enredo começou com a lenda da fonte do Itororó (aquela citada na tradicional canção infantil), localizada em Santos, que virou palco para a coreografia da comissão de frente, com bailarinos representando elementos arquitetônicos, anjos e o menino Pelé. Ao longo da apresentação, a fonte se transformava em uma enorme bola de futebol, sobre a qual o bailarino Mateus Renan encenava momentos marcantes da carreira do jogador.

O primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira veio representando Dom Pedro I e a Marquesa de Santos, sua amante, ladeados por soldados imperiais. Na sequência, o carro abre-alas misturou imagens religiosas --menção ao fato de que a cidade foi fundada no Dia de Todos os Santos-- com imagens de seu cidadão mais ilustre. O setor a seguir mostrou também a fundação do porto, o escoamento da produção de cana-de-açúcar e a invasão de piratas.

O crescimento e o desenvolvimento da cidade de Santos foram mostrados em alas e alegorias que lembraram a exportação de café, no século 19, como uma ala de estivadores e um carro com grandes bules e cachos da frutinha, que borrifava perfume de café. A chegada dos imigrantes e das inovações, como o bonde, também foram retratados.

Totalmente dedicado a Pelé, o quinto setor do desfile apresentou as grandes proezas do "atleta do século", como as Copas de 1958, na Suécia, de 1962, no Chile, e de 1970, no México, que ganharam alas próprias. Um trono foi preparado no quinto carro alegórico para que ele participasse do desfile, mas a pedido médico Pelé não pôde ir e foi representado pelo ator-mirim Gabriel Lima, intérprete do "rei do futebol" no filme "Pelé", que deve ser lançado ainda em 2016.

O Porto de Santos foi homenageado no final do desfile, sendo apresentado como o maior porto da América Latina em cargas e passageiros. As belezas naturais e as atrações de Santos também apareceram nesse setor, que teve alas de animais marinhos, em referência ao aquário da cidade, o maior do Brasil.

Por conta do forte calor no Rio de Janeiro, três componentes da escola foram retirados da avenida de maca após passarem mal.

Confira a ordem dos desfiles no primeiro dia na Sapucaí:

21h30 - Estácio de Sá
Entre 22h35 e 22h52 - União da Ilha
Entre 23h40 e 0h14 - Beija-Flor
Entre 0h45 e 1h36 - Grande Rio
Entre 1h50 e 2h58 - Mocidade
Entre 2h55 e 4h20 - Unidos da Tijuca

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos