Blocos de rua

Em São Paulo, pós-Carnaval terá blocos nas ruas até o dia 11

01/03/2017 10h38

Mesmo com o fim oficial do Carnaval, diversos blocos prolongarão a folia em São Paulo - e deverão atrair o público que perdeu a festa por causa do feriado prolongado. A maior parte desfila no próximo fim de semana, mas a programação se estende até o dia 11 de março - com um megadesfile pelo centro que promete reunir Ritaleena, Esfarrapados e Nós Trupica Mais Não Cai.

Depois de brincar o carnaval em Sorocaba e Itu, os estudantes - e namorados - Gabriel Motta, de 18 anos, e Gabrielle Portásio, de 16, embarcaram no sábado, 25, em um ônibus com destino a São Paulo. "Vamos esticar o carnaval lá, porque a programação dos blocos paulistanos este ano está demais", disse o jovem. Ele mora em Sorocaba e a garota, na capital. "Tinha poucas opções lá. Então a gente decidiu ir a Itu, onde havia mais blocos de rua."

Mais e mais

O casal de namorados fica até domingo em São Paulo. "Tem muitas opções e o carnaval paulistano está bombando este ano", disse a garota. O rapaz, no último ano do ensino médio, acredita que há uma tendência de se prolongar o Carnaval. "Quem estuda, já não tem aula mesmo esta semana, então é uma opção para se divertir um pouco mais."

Já a cozinheira Maria das Dores Nunes Barbosa, de 48 anos, moradora de São Bernardo do Campo, passou o carnaval no interior, mas de olho nos blocos que vão sair no sábado, 4, e domingo, 5, em São Paulo. "Volto ao trabalho amanhã (quarta-feira, 1º), mas folgo no fim de semana e vou atrás dos blocos. Ninguém me segura", disse.

Terminou, mas não acabou

E dar opções fora do período momesco já virou até tradição. O bloco Chega Mais desfila há quatro anos, sempre no domingo após o carnaval, de acordo com uma das organizadoras, Camila Rondon, de 37 anos. "O bloco fica animadíssimo, talvez porque seja uma despedida. As pessoas já estão com aquele gosto de saudade."

O ator Almir Rosa, de 40 anos, um dos organizadores do bloco Unidos do Grande Mel, que também desfilará no domingo, 5, afirma que a data foi escolhida por questões logísticas. "Somos um coletivo e todos trabalham em outros blocos e tocam em festas durante o carnaval", disse.

"O público realmente abraçou a ideia - no ano passado tivemos 30 mil pessoas", afirma o empresário Jefferson Rocha, de 32 anos, do bloco Vou de Táxi. Já o Meu Santo É Pop, em seu terceiro ano, pretende reunir 30 mil pessoas na Rua Augusta, segundo uma das organizadoras, a designer Marília Castelli, de 27 anos. "O bloco é assumidamente gay e homenageamos as divas da música pop." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Agência Estado
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Carnaval 2017
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo