Recife e Olinda

Em Olinda, blocos feministas saem às ruas contra o machismo

Beto Figueiroa
Bloco Vaca Profana foi criado em 2015 pela produtora de cinema Dandara Pagu, repreendida na rua por um policial por vestir uma fantasia que deixava os seios à mostra Imagem: Beto Figueiroa

Mateus Araújo

Colaboração para o UOL

20/01/2017 10h35

A luta contra o machismo também tem espaço no Carnaval de Pernambuco. No desce e sobe das ladeira de Olinda, os blocos feministas saem às ruas levantando estandartes em defesa da igualdade e do respeito.

Criado em 2013, o Ou Vai ou Racha é um dos mais conhecidos da folia olindense. Ele sai na terça-feira de Carnaval, às 13h, e surgiu de uma brincadeira entre um grupo de amigas parodiando a palavra “racha”, expressão utilizada para se referir a mulheres (lésbicas, bissexuais e heterossexuais). “Começamos a fazer paródias de músicas. Uma das primeiras foi da canção ‘A Rosa’, de Chico Buarque. Trocamos o verso “arrasa com meu projeto de vida” por “ser racha é o meu projeto de vida”, lembram as fundadoras.

O que era brincadeira se tornou um bloco; e o engajamento político das suas integrantes fez dele um bloco carnavalesco lésbico/bissexual e feminista, afirmam elas. Neste ano, o Ou Vai ou Racha desfila em Olinda não só pela militância de gênero como também contra o “golpe que se consolida no Estado brasileiro”, o racismo, a transfobia e o capitalismo. “Apostamos que a visibilidade de nossa sexualidade não heteronormativa explícita nas ruas incendeia nossos sutiãs de lantejoulas, energiza nosso nague de purpurina, e corrói a lesbofobia, bifobia e transfobia, que são derivadas do machismo”.

Outro bloco feminista é o Essa Fada, cujo título é um trocadilho com a fantasia de personagem meiga e frágil e a frase “és safada”, para satirizar o imaginário machista e sexista, segundo suas fundadoras. “A ideia do bloco é chamar atenção para a naturalização do comportamento sexual da mulher, não só no Carnaval, mas durante todo o ano”, explica a jornalista Geisa Agrício, integrante do grupo.

O Grêmio Anárquico Feminístico Essa Fada, como se chama oficialmente o bloco, desfila na segunda-feira de Carnaval, em Olinda, ainda sem um lugar definido porque é “um grupo anárquico”. No dia 22 de fevereiro acontece a prévia, comandada pela cantora e bailarina Flaira Ferro, na Casa Astral. Ele foi criado em 2015, como uma mobilização contra os abusos sexuais e os assédios sofridos por mulheres, não apenas nas festas como no dia a dia. “O machismo reforça o pensamento equivocado de que a mulher que está na brincadeira no Carnaval é ‘naturalmente’ disponível para o jogo sexual. ‘Se está ali, está querendo (sexo)’, ‘se está de roupa curta, está a fim (de transar)’”, exemplifica Geisa.

A agremiação também serve como uma maneira de conscientizar as pessoas sobre a liberdade de corpo e de escolhas. E iniciativas como esta, afirma a jornalista, tem aos poucos mudado o comportamento dos foliões machistas. “Recentemente, nos contaram uma história peculiar: nas prévias de Olinda, um grupo de rapazes tentou pressionar uma moça a beijar um cara. Eles gritavam “beija, beija”. Aí parte da multidão respondeu com outro grito, ainda mais alto: “se ela quiser, se ela quiser””, conta Geisa Agrício. “Que orgulho!”

O Essa Fada também virou uma espécie de selo de eventos e projetos com o mote feminista. No ano passado, o grupo realizou o lançamento mundial da turnê do Ladama Project, projeto feminino com instrumentistas de diversas partes das Américas. E em dezembro, o bloco fez uma prévia para o Carnaval com show de mulheres artistas, incluindo as cantoras Karina Buhr e Isaar.

Foi também 2015 que a produtora de cinema Dandara Pagu teve a ideia de criar o bloco Vaca Profana, após ser repreendida na rua por um policial porque estava com uma fantasia que deixava seus seios à mostra. “Eu estava vestida de vaca. Uma máscara, um short malhado e os peitos de fora pintados de glitter. O policial quis me proibir porque disse ser atentado ao pudor. Perguntei a ele por que os homens que estavam sem camisa não eram repreendidos também”, lembra Dandara. A situação gerou polêmica no Recife e uma campanha com várias mulheres vestidas de Vaca Profana foi criada nas redes sociais, em apoio à produtora.

No ano passado, Dandara e um grupo de amigas colocaram o bloco na rua, nas ladeiras de Olinda. “Nos juntamos com outros blocos e com uma orquestra de frevo e saímos. Éramos sete mulheres vestidas de vaca, e no meio do percurso outras mulheres foram entrando. No final, éramos 30”, conta.

O que começou como um improviso, em 2017 tende a ser ainda maior e organizado, garante a produtora. “O mote deste ano é ‘Nosso Corpo, Nossa Luta’, contra a hipersexualização da mulher e os padrões de corpo e beleza”, diz ela. “ A gente quer falar da liberdade não só de tirar a roupa, mas das questões de autoestima. Para a gente é legal que tenha todo tipo de corpo e cor. Não é só o peito. É a liberdade de ser o que quer ser. O Carnaval também pode ser um palco reivindicar os direitos das mulheres.”

O Vaca Profana lançou uma campanha de financiamento coletivo, para arrecadar verba não somente para o desfile do bloco – que será na segunda de Carnaval, a partir da 13h – como também para o evento Mostra que É Feme, programado para acontecer no Recife de 8 a 12 de março. A mostra é uma extensão do bloco, que promove debates e uma feira de empreendedorismo feminino. “Nossa ideia é também levar palestras para escolas públicas, sobre feminismo.”

No dia 10 de fevereiro, as vacas profanas fazem a prévia para o Carnaval. A festa começa às 22h, na sede do bloco, no Varadouro, Olinda, ao som de DJs – todas mulheres.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Carnaval 2017
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Brasil
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Arcanjo
do UOL
do UOL
do UOL
Carnaval 2017
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Carnaval 2017 - Link Externo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Band Notícias
do UOL
UOL Carnaval 2017 - Link Externo
do UOL
Topo