CarnaUOL

Djavan toca na Vai-Vai pela 1ª vez e se mostra esperançoso quanto ao Brasil

Divulgação
Djavan Imagem: Divulgação

Rodolfo Vicentini

Do UOL, em São Paulo

09/02/2017 04h00

Após 40 anos de carreira, Djavan faz sua estreia em uma festa de escola de samba neste sábado (11), na Festa do Chopp, da Vai-Vai.  “Cantar no carnaval, essas coisas, nunca aconteceu. Uma vez eu desfilei na comissão de frente da Mangueira, me convenceram que seria legal fazer isso. E foi bacana, mas nunca mais quis participar”, disse o músico ao UOL.

 Apesar de não ter uma relação recente com o Carnaval, o artista relembrou da infância em Alagoas quando acompanhava o frevo ao lado da família e ainda falou de temas atuais como a transformação política no país e a criatividade do “lixo” musical, no bom sentido. “Nunca vi um Brasil como esse”.

Leia abaixo alguns tópicos da conversa com Djavan:

Repertório do show

O roteiro do show é praticamente o mesmo de toda a turnê, que começou em fevereiro do ano passado. É um roteiro que abrange 5 ou 6 músicas do disco "Vidas Pra Contar", músicas de todas as épocas e clássicos, porque é um show, tem que ter uma interatividade com a plateia. É um show muito energético e é um êxito, porque esse repertório está sendo testado desde o ano passado, e a gente tem se dado muito bem em todos os lugares. E acho que na Vai-Vai vai ser maravilhoso.

Relação com o carnaval

Como eu sou alagoano, os carnavais mudaram muito. Na minha época, o carnaval era à base de frevo, orquestras de frevo no meio da rua, que é uma característica nordestina. Em Pernambuco é isso, e a Vassourinha é o frevo símbolo dos carnavais nordestinos. Eu tinha o hábito de sair às ruas com minha mãe e minha família, bem pequeno, para participar dessa festa. Mas eu fui crescendo e me desligando um pouco do carnaval. Eu não tenho muita atuação no evento. Cantar no carnaval, essas coisas, nem pensar, nunca aconteceu. Uma vez eu desfilei na comissão de frente da Mangueira, me convenceram que seria legal fazer isso, foi bacana, mas nunca mais quis participar.

Próximo álbum

Aparentemente, a gente fica muito tempo sem lançar um trabalho, mas não é muito tempo. É uma coisa cíclica: fico um ano para compor e produzir um novo disco. Depois levo um ano e meio numa turnê. O tempo é esse, quase três anos. Eu vou com essa turnê do “Vidas Pra Contar” até o meio do ano. Pretendo entrar em estúdio em setembro, no máximo em outubro deste ano, para gravar o novo álbum, que só vai chegar às ruas em 2018.

Esperançoso

Eu, além de falar de relação humana, falo de política. É onde você está situado, as coisas que estão acontecendo. É impossível um país como o nosso, jovem ainda e cheio de possibilidades, não perceber o que está acontecendo. Ainda mais a gente que está ali como uma voz. Eu sou esperançoso, porque nunca vi um Brasil como esse que eu estou vendo. É um país que aponta para um futuro muito melhor. A gente está tirando do Brasil o que é ruim para o Brasil, ou seja, essa evasão de divisas vindas de tudo o que é forma, corrução, pessoas que pagam menos impostos do que deviam, estão sendo resolvidas porque é muita coisa e carece de muito tempo para realmente colocar o Brasil a limpo. Mas realmente estou esperançoso, nunca vi coisas que estou vendo agora. E isso me aponta para um futuro, realmente claro.

Política

Há 10 anos você nunca iria imaginar uma pessoa como o Marcelo Odebrecht na cadeia. Ter dinheiro e ter poder era ser imune às leis, e isso mudou. O que eu acho que isso aponta é que o Brasil está realmente mudando e que está mudando a forma na política, no empresariado. Todo mundo que fazia política vai mudar, porque a prática política de até agora não é mais possível. Essa prática está sendo extirpada, porque é predatória e não impulsiona nenhuma economia para frente, nenhuma nação para frente.

Mercado musical e internet

A gente tem mil projeções do que vai acontecer ainda, não podemos garantir nada, porque enquanto não houver uma legislação que garanta os direitos na internet toda a conjuntura é frágil, você não sabe o que fazer. A gente está tentando buscar as orientações que pairam no mercado mais importante, que é o americano. Nem os EUA conseguiram fazer com que essas leis tenham estruturas e garantam os direitos. A grande esperança é que consigamos uma legislação capaz de garantir os direitos, e não só na música, a internet é um mundo muito de ninguém. Todo mundo faz tudo. Mas a gente vai chegar lá um dia, porque tudo tem que obedecer a uma regulamentação de maneira justa.

Criatividade do mainstream

Essa pergunta aponta para o “lixo” aumentado. O “lixo” no bom sentido, porque um país como o nosso tem a probabilidade monstruosa de um surgimento de coisas novas. E com a internet isso fica multiplicado mil vezes. Eu sou uma pessoa que talvez não seja a ideal para responder, porque adoro a competitividade, quanto mais competitividade mais motivação. Não tenho problema em competir com qualquer criador e qualquer tipo de tendência. Quando falei o lixo aumentar, sempre existiu um lixo em todas as artes, em todas as épocas. Nem gosto muito dessa palavra, porque não é o sentido comum de lixo, é o excesso de coisas de baixa qualidade. E isso prolifera pela oportunidade, a internet é uma oportunidade extrema. E como a coisa de menor qualidade tem maior facilidade de se proliferar, ela acaba se sobressaindo, mas acho que sempre vai surgir grandes talentos. E não só aqui, nos Estados Unidos o lixo está grande, na Europa também. A internet é uma loucura, você pode se transformar em uma pessoa com uma luminosidade imensa de uma hora para outra, isso não quer dizer que seu futuro seja aquele.

Serviço:

Festa do Chopp na Vai-Vai (Djavan e Turma do Pagode)

Local: Pavilhão de Exposições do Anhembi
Endereço: Rua Professor Milton Rodrigues, 13 – Santana, São Paulo
Data: 11/02 (sábado)
Horário: a partir das 21h
Ingressos: de R$ 70 a R$ 120
Informações: (11) 3266-2581 / (11) 3311- 8430

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
Agência Estado
Estadão Conteúdo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
TV e Famosos
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
Topo