Rio de Janeiro

Abertura do Carnaval do Rio ocorre com atraso e sem Crivella

André Horta/Fotoarena/Estadão Conteúdo
Secretária de Cultura do Rio de Janeiro Nilcemar Nogueira entrega as chaves da cidade ao Rei Momo Fábio Damião Imagem: André Horta/Fotoarena/Estadão Conteúdo

Vinícius Lisboa - repórter da Agência Brasil

24/02/2017 23h37

A tradicional entrega da chave da cidade ao Rei Momo, que marca a abertura oficial do carnaval do Rio, ocorreu com atraso e sem a presença do prefeito, Marcelo Crivella. Segundo o presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves, e a secretária de Cultura, Nelcimar Nogueira, Crivella ficou com a primeira-dama, Sylvia Jane Hodge Crivella, que está com uma "profunda gripe".

"Falta faria se essa festa não tivesse sido apoiada como ela foi. A festa foi apoiada na organização, financeiramente no que era necessário fazer. E isso é o que é mais importante", disse Nelcimar. "Ele viria conosco, porém ela não melhorou e ele não pôde vir".

A entrega da chave da cidade foi marcada para as 18h, horário em que chegaram à Sapucaí a banda da Guarda Municipal, representantes da velha guarda de diversas escolas de samba e o Instituto Cultural Candonga, responsável por levar a chave às cerimônias.

Nenhum representante da prefeitura apareceu até as 20h e a velha guarda iniciou seu desfile de abertura pelo sambódromo antes da entrega da chave da cidade.

Ao entregar a chave ao Rei Momo, Nelcimar defendeu a decisão de fazer a cerimônia no sambódromo, em vez de usar o Jardim do Palácio da Cidade, local que recebeu a entrega nos últimos anos.

"Enquanto neta de Cartola e de Dona Zica, esse momento para mim foi inesquecível", disse ela. "Estamos vivendo um novo momento que é valorizar os sambistas".

A chave da cidade foi levada à cerimônia pelo Instituto Cultural Candonga, que herdou a responsabilidade de "guardião" da chave do personagem do carnaval carioca que lhe dá nome. Na década de 70, Candonga, que se chamava José Geraldo de Jesus, assumiu o posto de guardião da chave do Rio de Janeiro. Conta a família que, na época, a chave desaparecia com frequência, o que nunca mais aconteceu após a iniciativa de Candonga.

"O meu pai fez a chave da cidade. Fez esse evento e virou o guardião dá chave. E nós fizemos o Instituto Candonga voltado ao carnaval", conta Maria Cristina Silva de Jesus.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Da Redação
do UOL
Agência Estado
Da Redação
Estadão Conteúdo
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Topo