Rio de Janeiro

Segunda noite terá primeiras colocadas de 2016 e escolas buscando retomada

Mauro Samagaio
Alegorias da Unidos da Tijuca, que consagra a musicalidade com o enredo "Música Na Alma, Inspiração de Uma Nação" Imagem: Mauro Samagaio

Anderson Baltar

Colaboração para o UOL, no Rio

27/02/2017 12h41

A segunda noite de desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro terá, como atrativo principal, o encontro entre as três primeiras colocadas do Carnaval de 2016. Mangueira, Unidos da Tijuca e Portela desfilarão juntas na metade final do espetáculo e farão um duelo à parte. O desfile de segunda-feira também terá duas escolas em busca da recuperação após péssimos resultados e uma agremiação que busca consolidar o seu espaço na folia carioca.

A noite será aberta pela União da Ilha do Governador. A escola, que nunca conquistou o título mas marcou a história do Carnaval graças a seus sambas famosos, há alguns anos vinha devendo uma boa obra musical. Em 2017, a tricolor entra na avenida embalada por um dos melhores sambas do ano. Com o enredo “Nzara Ndembu – Glória ao Senhor Tempo”, a Ilha apresentará a lenda da criação do mundo na mitologia angolana e traz um carnavalesco estreante: Severo Luzardo, que se destacou no ano passado no Império Serrano. Penúltima colocada em 2016, a Ilha se reforçou para se recuperar na tabela e, quem sabe, beliscar uma vaga entre as seis primeiras. Carlinhos de Jesus é o coreógrafo da comissão de frente e o casal Phelipe Lemos e Dandara Ventapane vieram da Vila Isabel. A porta-bandeira, por sinal, é neta de Martinho da Vila.

A segunda escola a desfilar será a São Clemente. Com mais um trabalho de Rosa Magalhães, a amarela e preta de Botafogo levará para a avenida uma história real ocorrida na França nos tempos do rei Luis XIV. A fábula do ministro da Fazenda que constrói um castelo nababesco e é preso pelo rei por mal versação do dinheiro público poderia ser aplicada ao Brasil atual. Porém, a carnavalesca desconversa através do curioso nome do enredo: “Onisuáquimalipanse”. Afastada das últimas colocações desde a chegada de Rosa, a São Clemente sonha com voos mais altos – a realização do sonho de desfilar entre as campeãs.

Em seguida, será a vez da Mocidade Independente de Padre Miguel. Ausente do Desfile das Campeãs desde 2003, a verde e branca vem de um dolorido décimo lugar em 2016. Prontos para recuperar a auto-estima, os independentes vão para a avenida com um samba que foi aclamado pela quadra e tem rendido ótimos ensaios. O enredo “As mil e uma noites de uma Mocidade pra lá de Marrakech”, do carnavalesco Alexandre Louzada, promoverá uma viagem pela história e tradições do Marrocos. O desfile marcará a reestreia do intérprete Wander Pires. Cria da escola, ele volta a desfilar na Mocidade após oito anos de afastamento.

Uma das escolas mais regulares dos últimos anos, a Unidos da Tijuca é uma agremiação que tem vários quesitos fortes. No ano passado, perdeu o título para a Mangueira por apenas um décimo. Neste Carnaval, os carnavalescos Mauro Quintaes, Annik Salmon, Marcus Paulo e Hélcio Paim prepararam um desfile sobre a história da música norte-americana: “Música na alma, inspiração de uma nação”. O fio condutor do enredo é um encontro real entre Louis Armstrong e Pixinguinha, ocorrido em 1957.

Maior campeã do Carnaval carioca, com 21 conquistas, a Portela aposta todas as suas fichas no talento do carnavalesco Paulo Barros e na força de sua comunidade para romper o jejum de 33 anos sem títulos. Com um enredo sobre a importância dos rios para a humanidade (“Quem nunca sentiu o corpo arrepiar ao ver esse rio passar”), a azul e branca promete mais um show de modernidade – marca registrada de Barros – e de tradição, como bem sabe mostrar a Portela. Recuperando-se ainda do baque do assassinato de seu presidente, Marcos Falcon, ocorrido em setembro passado, a Portela espera conquistar os jurados com um desfile com fortes pitadas de emoção. Uma das atrações será a velha guarda, que virá no último carro em uma surpresa guardada a sete chaves pelo carnavalesco.

A campeã de 2016, Estação Primeira de Mangueira, encerrará o desfile. Com o enredo “Só com a ajuda do santo”, baseado na religiosidade do brasileiro, o carnavalesco Leandro Vieira espera conquistar mais uma vez a consagração do público e júri. Para isso, preparou um visual bastante caprichado e com diversas estéticas – do barroco demonstrado nas manifestações católicas até o grafite para retratar as entidades da umbanda que cuidam das ruas. O bom samba-enredo também promete ser um dos destaques. A porta-bandeira Squel, que brilhou no desfile de 2016, dançará com um novo par, o seu tio Matheus Olivério.

Veja os melhores momentos da 1ª noite de desfiles

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Da Redação
do UOL
Agência Estado
Da Redação
Estadão Conteúdo
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
do UOL
Colunas - Flavio Ricco
Topo