CarnaUOL

Anderson Baltar

Cubango e Rocinha escolhem bons sambas para o Carnaval 2019

Felipe Araújo
Compositores da Acadêmicos do Cubango Imagem: Felipe Araújo
Anderson Baltar

Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

26/08/2018 14h43

A temporada de finais de samba da Série A (Grupo de Acesso) do Carnaval carioca foi aberta na noite deste sábado (25). Com quadras lotadas, a Acadêmicos do Cubango e a Acadêmicos da Rocinha definiram os sambas que embalarão seus desfiles no Carnaval 2019. E, a julgar pelo nível das obras, é possível ser otimista com o nível dos sambas que serão apresentados nos desfiles de sexta-feira e sábado de Carnaval. 

Quinta colocada no Carnaval 2018, a Cubango aposta em um samba valente, composto por Robson Ramos, Sardinha, Duda Tonon, Anderson Lemos, Ailtinho, Sérgio Careca, Carlão do Caranguejo e Samir Trindade. O enredo da escola, desenvolvido pelos carnavalesco Leonardo Bora e Gabriel Haddad, é “Igbá Cubango - a alma das coisas e a arte dos milagres''.

A tradicional verde e branca de Niterói, que, nos tempos em que a cidade possuía seu próprio desfile, rivalizava ferrenhamente com a Viradouro, levará para a avenida um tema sobre os objetos que se transformaram em amuletos de diversos povos e religiões.

Na quadra da Rocinha, em São Conrado, a festa foi até o dia amanhecer para celebrar a vitória do samba composto por Claudio Russo, Diego Nicolau, Renato Galante, Kirrazinho, Ralf e Fadico. O samba aposta em dois refrães fortes e uma bela melodia para contar o enredo “Bananas para o preconceito”, assinado pelo carnavalesco Júnior Pernambuco. A Rocinha busca se recuperar do 11º lugar do ano passado com um tema que promete ser um libelo contra o racismo.

Confira os áudios e letras dos dois sambas:

ACADÊMICOS DO CUBANGO

Compositores: Robson Ramos, Sardinha, Duda Tonon, Anderson Lemos, Ailtinho, Sérgio Careca, Carlão do Caranguejo e Samir Trindade

VOU BUSCAR PRA MIM A FORÇA DO SEU AXÉ

MENINO BABALOTIM NO SAGRADO AFOXÉ

AOS PÉ DO MORRO FIZ O MEU TERREIRO
ONDE O PADROEIRO ME PROTEGE EM SEU ALTAR
ATOTÔ EU BATO CABEÇA PRA OMULU
NESSE CHÃO TEM PIPOCA PRO SANTO
OFERENDAS DO MEU MUNDO VERDE E BRANCO

Ê SARUÊ BAIANA, Ê SARUÊ BAIANA
GIRA LAGUIDIBÁ, GIRAM SAIAS E GUIAS
CARREGA MEU PATUÁ EM SUA SABEDORIA

BÚZIOS, CARRANCAS E BALANGANDÃS
RELÍQUIAS ILUMINAM MEU CAMINHO
AO MEU “PADIM”, EU AMARRO A MINHA FÉ
A CRUZ NO PEITO PRA ME ABENÇOAR
JÁ FIZ PROMESSA, O MILAGRE VAI CHEGAR
EM ROMARIA EU AGRADECI
DESACREDITADO, ACREDITEI
A CURA DA ALMA, O TERÇO NA MÃO
UM CORAÇÃO BORDADO AO DIVINO REI
SENHOR, TEM PIEDADE DE NÓS
EIS A ORAÇÃO EM NOSSA VOZ
TEM GENTE VENDENDO AO POVO ILUSÃO
ACENDO VELA, PEÇO SALVAÇÃO

KO SI OBA KAN ÔÔÔÔ
OFI OLORUM ÔÔÔÔ
IGBA CUBANGO, MEU AMULETO
PROTEÇÃO E AMOR

ACADÊMICOS DA ROCINHA

Compositores: Claudio Russo, Diego Nicolau, Renato Galante, Kirrazinho, Ralf e Fadico

TIRE O PRECONCEITO DO CAMINHO
QUE EU QUERO PASSAR COM MINHA COR
PLANTE FLOR SEM TER ESPINHOS
O ÓDIO NÃO FLAGELA O AMOR
SENHOR, A LIBERDADE AINDA NÃO RAIOU
QUEM DEVERIA ME CHAMAR DE IRMÃO
TEM TANTO DESPREZO NA ALMA
PORQUE SE SOMOS IGUAIS NA RAIZ
PRIMATAS NA ESSÊNCIA
MAS SÓ A MIM RESTOU A CICATRIZ?

ABRE A PORTA DA SENZALA ÔÔÔ
ME LIBERTE DAS MAZELAS, Ê FAVELA
BANANAS QUE A VIDA DÁ
A GENTE CONSOME
QUANDO A FOME APERTAR
QUERO VER, QUEM NÃO COME

E QUANDO A LIBERDADE É LEI
DE CONGO À CHICO-REI
A NEGRITUDE É OURO
É ARTE QUE ENFRENTA A CHIBATA
NOS TERREIROS DE CIATA
É MÃO NO COURO
O NEGRO É FORTE FEITO BAOBÁ
VERDADEIRA FORTALEZA
COISA DE ORIXÁ
Ê CRIOULO…
ERGA ESSA CABEÇA VAI NA FÉ
Ê CRIOULA…
MOSTRA QUE A NOSSA RAÇA
NÃO É SÓ SAMBA NO PÉ
NÃO MIL VEZES NÃO
REPLIQUE A DOR
QUE O PRECONCEITO
FERE IGUAL PUNHAL
QUANDO ATRAVESSA NOSSO PEITO

VOA LIBERDADE!
ENTRA NA RODA SINHÁ
MEU POVO QUER IGUALDADE, RESPEITO
ESSA LUTA É TANTO SUA QUANTO MINHA
VAI TER QUIZOMBA
NO QUILOMBO DA ROCINHA

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo