Escola de samba do Rio terá homem como porta-bandeira no Carnaval de 2019

Reprodução/Facebook
Anderson Morango, terceiro porta-bandeira da Acadêmicos do Sossego Imagem: Reprodução/Facebook
Anderson Baltar

Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

29/08/2018 12h54

A primeira noite de desfiles da Série A em 2019, equivalente ao Grupo de Acesso do Carnaval carioca, promete entrar para a história quando a niteroiense Acadêmicos do Sossego, última escola a desfilar, ocupar a pista da Marquês de Sapucaí. Pela primeira vez no palco principal do Carnaval um homem empunhará a bandeira de uma escola.

Anderson Morango, 38 anos, é o nome do pioneiro. Com experiência na função em bloco e no desfile das divisões inferiores, ele desfilará como terceira porta-bandeira e já sonha alto: "Ainda quero ser a principal porta-bandeira de uma escola na Sapucaí e desfilar valendo pontos".

Militando há 20 anos no Carnaval carioca, Morango começou a carreira na Mangueira, como roadie do então principal casal da escola, Marquinhos e Giovanna. "Cuidava de tudo para eles: da roupa à maquiagem, ensaios, água, enfim, toda a estrutura. Mas eu sempre quis participar efetivamente do desfile, valendo pontos. E acabei virando mestre-sala", relata.

Morango dançou, de 2010 a 2016, como mestre-sala, em diversas escolas dos grupos de base do Carnaval carioca, como Mocidade de Vicente de Carvalho, União de Vaz Lobo e Arranco do Engenho de Dentro.  A sua história começou a mudar quando, ao ser visto dançando de brincadeira como porta-bandeira, foi convidado a assumir o pavilhão do então bloco Embalo do Engenho Novo.

"Pensei que o presidente tivesse enlouquecido, mas topei. Afinal, como mestre-sala, eu mesmo treinava as porta-bandeiras com quem dancei. Dava toques sobre postura, sobre os giros. E encarei na boa, até porque era um bloco de embalo e não haveria maiores consequências", relembra. 

Porém, Morango fez uma promessa ao presidente do Embalo: quando a agremiação se tornasse escola de samba, ele desfilaria. E isso aconteceu em 2016, quando desfilou de segunda porta-bandeira pelo Grupo E (equivalente à sexta divisão do Carnaval). "Entrei com muito medo de ser vaiado, mas a avenida veio abaixo de tantos aplausos. Neste dia, fui visto por Wallace Palhares, presidente do Sossego, e ficamos amigos".

A performance de Morango ficou na cabeça do presidente. E, para 2019, com um enredo que tem como uma de suas vertentes o combate à intolerância (o tema do Sossego é sobre Jesus Malverde, o "anjo dos pobres" idolatrado por milhões de mexicanos), Wallace Palhares viu como a ocasião perfeita para quebrar barreiras e lançar a novidade.

"Estamos batendo na tecla da inclusão e abrir novas portas. Se um homem quiser dançar de porta-bandeira, tudo bem. E, se formos buscar no passado, isso não é novidade. Nos primeiros desfiles, quem conduzia a bandeira das escolas era um homem e as alas de baianas também não tinham mulheres", relembra o presidente.

Após duas semanas de treinamento com o mestre-sala Vladimir, Morango foi apresentado na quadra da escola no dia 18 de agosto. E foi ovacionado. "Eu tinha receio da reação da velha guarda e das baianas, mas todos me incentivaram e, inclusive, me contaram histórias de Rai, um homem que dançava de porta-bandeira no Carnaval de Niterói. A quadra vibrou comigo. Quem pensou que era só uma bicha querendo aparecer, viu que eu sei dançar, e muito bem", comemora. 

A repercussão foi imediata. Afagado pelo principal casal da escola, Marcinho Souza e Thayanne Loureiro e festejado por porta-bandeiras de renome como Vilma Nascimento, Danielle Nascimento e Giovanna, Morango começa a ser requisitado para shows em outras escolas e já foi convidado para, em outubro, conduzir a bandeira do Sossego na tradicional Parada Gay de Copacabana. "O mais importante de tudo é que estou quebrando barreiras e, quem sabe, abrindo caminho para outros homens. Muitos mestres-salas me disseram que queriam estar em meu lugar", afirma, às gargalhadas.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Mais CarnaUOL

Topo