CarnaUOL

Anderson Baltar

Escola de samba do Rio terá homem como porta-bandeira no Carnaval de 2019

Reprodução/Facebook
Anderson Morango, terceiro porta-bandeira da Acadêmicos do Sossego Imagem: Reprodução/Facebook
Anderson Baltar

Anderson Baltar

Anderson Baltar é jornalista, formado pela UFRJ e tem 42 anos. Com mais de 15 anos de experiência na mídia carnavalesca, foi assessor de imprensa da União da Ilha e Império Serrano, produtor de Carnaval da TV Globo e trabalhou em coberturas de desfiles nas rádios Manchete e Tupi. Desde 2011, é âncora e coordenador da Rádio Arquibancada, web rádio com programação inteiramente voltada para o Carnaval. Em 2015, lançou o livro "As Primas Sapecas do Samba", ao lado dos também jornalistas Eugênio Leal e Vicente Dattoli.

29/08/2018 12h54

A primeira noite de desfiles da Série A em 2019, equivalente ao Grupo de Acesso do Carnaval carioca, promete entrar para a história quando a niteroiense Acadêmicos do Sossego, última escola a desfilar, ocupar a pista da Marquês de Sapucaí. Pela primeira vez no palco principal do Carnaval um homem empunhará a bandeira de uma escola.

Anderson Morango, 38 anos, é o nome do pioneiro. Com experiência na função em bloco e no desfile das divisões inferiores, ele desfilará como terceira porta-bandeira e já sonha alto: "Ainda quero ser a principal porta-bandeira de uma escola na Sapucaí e desfilar valendo pontos".

Militando há 20 anos no Carnaval carioca, Morango começou a carreira na Mangueira, como roadie do então principal casal da escola, Marquinhos e Giovanna. "Cuidava de tudo para eles: da roupa à maquiagem, ensaios, água, enfim, toda a estrutura. Mas eu sempre quis participar efetivamente do desfile, valendo pontos. E acabei virando mestre-sala", relata.

Morango dançou, de 2010 a 2016, como mestre-sala, em diversas escolas dos grupos de base do Carnaval carioca, como Mocidade de Vicente de Carvalho, União de Vaz Lobo e Arranco do Engenho de Dentro.  A sua história começou a mudar quando, ao ser visto dançando de brincadeira como porta-bandeira, foi convidado a assumir o pavilhão do então bloco Embalo do Engenho Novo.

"Pensei que o presidente tivesse enlouquecido, mas topei. Afinal, como mestre-sala, eu mesmo treinava as porta-bandeiras com quem dancei. Dava toques sobre postura, sobre os giros. E encarei na boa, até porque era um bloco de embalo e não haveria maiores consequências", relembra. 

Porém, Morango fez uma promessa ao presidente do Embalo: quando a agremiação se tornasse escola de samba, ele desfilaria. E isso aconteceu em 2016, quando desfilou de segunda porta-bandeira pelo Grupo E (equivalente à sexta divisão do Carnaval). "Entrei com muito medo de ser vaiado, mas a avenida veio abaixo de tantos aplausos. Neste dia, fui visto por Wallace Palhares, presidente do Sossego, e ficamos amigos".

A performance de Morango ficou na cabeça do presidente. E, para 2019, com um enredo que tem como uma de suas vertentes o combate à intolerância (o tema do Sossego é sobre Jesus Malverde, o "anjo dos pobres" idolatrado por milhões de mexicanos), Wallace Palhares viu como a ocasião perfeita para quebrar barreiras e lançar a novidade.

"Estamos batendo na tecla da inclusão e abrir novas portas. Se um homem quiser dançar de porta-bandeira, tudo bem. E, se formos buscar no passado, isso não é novidade. Nos primeiros desfiles, quem conduzia a bandeira das escolas era um homem e as alas de baianas também não tinham mulheres", relembra o presidente.

Após duas semanas de treinamento com o mestre-sala Vladimir, Morango foi apresentado na quadra da escola no dia 18 de agosto. E foi ovacionado. "Eu tinha receio da reação da velha guarda e das baianas, mas todos me incentivaram e, inclusive, me contaram histórias de Rai, um homem que dançava de porta-bandeira no Carnaval de Niterói. A quadra vibrou comigo. Quem pensou que era só uma bicha querendo aparecer, viu que eu sei dançar, e muito bem", comemora. 

A repercussão foi imediata. Afagado pelo principal casal da escola, Marcinho Souza e Thayanne Loureiro e festejado por porta-bandeiras de renome como Vilma Nascimento, Danielle Nascimento e Giovanna, Morango começa a ser requisitado para shows em outras escolas e já foi convidado para, em outubro, conduzir a bandeira do Sossego na tradicional Parada Gay de Copacabana. "O mais importante de tudo é que estou quebrando barreiras e, quem sabe, abrindo caminho para outros homens. Muitos mestres-salas me disseram que queriam estar em meu lugar", afirma, às gargalhadas.
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Anderson Baltar
Topo