CarnaUOL

Blocos de rua

Acadêmicos do Baixo Augusta leva 1 milhão de pessoas para o Centro de SP

Marcelo Justo/UOL
Pré-Carnaval do Baixo Augusta reuniu multidão no centro da cidade Imagem: Marcelo Justo/UOL

Mateus Araújo

Colaboração para o UOL, em São Paulo

04/02/2018 19h01

O maior bloco de São Paulo, o Acadêmicos do Baixo Augusta, reuniu 1 milhão de pessoas na rua da Consolação, na tarde deste domingo (4). O número foi divulgado pelos organizadores da agremiação, cujo desfile levantou como tema "É Proibido Proibir". A Prefeitura de São Paulo só divulgará um balanço oficial com o público dos blocos de pré-Carnaval na segunda-feira (5).

"Quanto mais disserem 'não', mais diremos 'Carnaval'. Contra proibição, Carnaval; contra o racismo, Carnaval; contra o machismo, Carnaval; contra censura, Carnaval; contra a homofobia, Carnaval”, disse o presidente do bloco, Alê Youssef, no início do desfile.

A expectativa do bloco era alcançar um público de 1 milhão até 2020, número que foi alcançado neste ano. Ao som de samba, axé e até rock e sertanejo, cantado por nomes como Simoninha, Lecy Brandão, Emanuele Araújo, Júlio Andrade e Maria Rita, as pessoas se espremeram ao longo da rua da Consolação.

Dentro de um seleto cordão de isolamento, artistas e convidados também se esbaldaram. Rainha do Baixo Augusta, a atriz Alessandra Negrini vestiu uma fantasia de Iansã, em defesa à liberdade religiosa. "Iansã é uma mulher guerreira, mulher de luta. Vim assim em homenagem às religiões de matriz afro, que têm sido muito perseguidas", explicou.

O ator Daniel de Oliveira veio pela primeira vez para o Baixo Augusta e, segundo ele, adorou a experiência. “Vim de Salvador, da festa de Iemanjá, para cá. É muito bonito ver isso. Carnaval tem que ser na rua, qualquer rua”, disse.

Já para a cantora Tulipa Ruiz, estar na rua é um ato de resistência. "Neste tempo de tanto retrocesso, a gente precisa cantar junto ‘É proibido proibir."

No final do desfile, a cantora Maria Rita entoou o clássico da MPB "Como Nossos Pais", em ato que marcou a inauguração de um enorme painel pintado na fachada da sede do bloco, na praça Roosevelt.

Performance 

Durante o desfile, um grupo de artistas integrantes das companhias de teatro da praça Roosevelt fez performances sobre o tema do bloco e com base na teoria queer, da filósofa Judith Butler. 
Nus ou com seios de fora, os atores e atrizes levantaram uma faixa contra censura e proibição. “Está no DNA dos Satyros gritar que ‘é proibido proibir’”, afirmou o diretor teatral Ivam Cabral, fundador do grupo, um dos mais conhecidos e subversivos da cidade. 
Na esquina da Consolação com o rua Maria Antônia, onde há 50 anos uma briga entre estudantes da esquerda e da direta protagonizaram uma sangrenta briga, a banda do bloco cantou “Para Não Dizer que Não Falei das Flores”, de Geraldo Vandré.

Apoteose

No final do desfile, a cantora Maria Rita entoou o clássico da MPB "Como Nossos Pais", em ato emocionante, que marcou a inauguração de um enorme painel de 16 m de largura e 45 m de altura, feito pelos artistas plásticos Carlos Delfino, Ciro Cozzolino e Zé Carratu.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Arcanjo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo