CarnaUOL

Blocos de rua

Chega de racismo e preconceito religioso, pedem blocos afro em BH

Julia Lanari/Belotur/Divulgação
Blocos afro de BH pediram fim do racismo e do preconceito religioso Imagem: Julia Lanari/Belotur/Divulgação

Miguel Arcanjo Prado

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

10/02/2018 19h05

O Carnaval de Belo Horizonte começou com negritude em foco e um pedido pelo fim do racismo e do preconceito religioso no Brasil.

A folia da capital mineira foi aberta oficialmente nesta sexta (9) com o encontro de blocos afro Kandandu, que significa “abraço” na língua africana kimbundu. Cerca de 50 mil pessoas lotaram a praça da Estação, no centro.

Em Belo Horizonte, 52% da população se declara negra, sendo a etnia de maior número entre os habitantes da capital mineira.

O Kandandu é um evento construído coletivamente com a sociedade civil, Associação dos Blocos Afro de Minas Gerais (Abafro) e Belotur (órgão municipal de turismo).

O batuque deu o tom, em ritmos como ijexá e samba de roda. Subiram ao palco os grupos e blocos afro Afoxé Bandarerê, Angola Jânga, Magia Negra, Fala Tambor e Samba da Meia-Noite.

Gabriel Lemos, regente da bateria e vice-presidente do Afoxé Bandarerê, celebrou o destaque na festa.

"A importância é muito grande devido à representatividade. A população negra, que é maioria em Belo Horizonte, se sente representada vendo os negros em cima do palco, abrindo o Carnaval da capital mineira", falou ao UOL.

Fazendo referência à ancestralidade, Lemos lembrou o pioneirismo negro na folia mineira do Afoxé Ilê Odara na década de 1980, fundado pela ialorixá Mãe Gigi (Oneida Maria da Silva Oliveira), o bailarino Márcio Valeriano e tendo como padrinho Gilberto Gil.

Se o Afoxé Ilê Odara era o único bloco negro na década de 1980, atualmente este número cresceu, como mostrou o palco de abertura da folia belo-horizontina.

Racismo e preconceito religioso: "Já deu, né?"

Lemos afirmou que levar a religiosidade negra para as ruas no Carnaval é uma forma de resistência desta população contra o racismo e o preconceito com religiões de matriz africana.

"O Afoxé Bandarerê surgiu em 2013. O afoxé é o candomblé na rua. A população negra vem sendo escorraçada, tendo seus terreiros quebrados nas comunidades, sobretudo no Rio. Fazer nosso afoxé para 50 mil pessoas na abertura do Carnaval de BH é mostrar que não fazemos culto ao Satanás", falou o músico.

"Tiramos essa ideia preconceituosa de que cultuamos o diabo. A gente cultua os orixás, que são a energia da natureza. Chega de racismo, chega de preconceito religioso e de qualquer tipo, chega de homem assediando mulher, chega de homofobia. Estamos no século 21 e precisamos evoluir. Já deu, né, minha gente?", pontou Gabriel Lemos
.
A bailarina Junia Bertolino, também integrante do Afoxé Bandarerê, celebrou a grande festa negra na praça da Estação. "Isso é fruto de trabalhos de várias pessoas e ações que incentivaram a pesquisa, a identidade e a corporeidade negra em BH. Gente que faz um trabalho de base na periferia, nas favelas, nas comunidades, escolas e centros culturais", afirmou.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Arcanjo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo