CarnaUOL

Blocos de rua

Angola Janga arrasta tapete negro de 150 mil com batuque ancestral em BH

Nereu Jr/UOL
Uma pomba branca foi solta na abertura do desfile do Angola Janga, que arrastou 150 mil em BH Imagem: Nereu Jr/UOL

Miguel Arcanjo Prado

Colaboração para o UOL, em Belo Horizonte

12/02/2018 11h10

O batuque ancestral ecoou pelo centro de Belo Horizonte formando um grande tapete negro de 150 mil pessoas neste domingo (11) durante o desfile do bloco afro Angola Janga.

Os tambores mineiros foram celebrados em seu terceiro cortejo no Carnaval de BH, com cerca de 200 integrantes.

Foram entoadas canções de Milton Nascimento, como "Maria Maria" e "Casa Aberta", esta última composição de Chico Amaral e Flávio Henrique, que morreu em janeiro último vítima da febre amarela.

Nayara Garófalo, co-fundadora e presidente do Angola Janga ao lado de Lucas Nascimento, conversou com o UOL pouco antes da saída do bloco afro. "Celebramos este ano os tambores mineiros, o reinado, o congado e o candombe; e os blocos afros que vieram antes de nós. Reverenciar o mais velho é fundamental", disse.

O primeiro bloco afro do Carnaval de BH foi o Afoxé Ilê Odara, fundado no começo dos anos 1980 pela ialorixá Mãe Gigi (Oneida Maria da Silva Oliveira) e o bailarino Márcio Valeriano, tendo Gilberto Gil como padrinho.

Lutas do povo negro

O Angola Janga também levou para as ruas de BH as reivindicações do povo negro. "Viemos com as causas que são constantes para a gente: contra o genocídio negro, o racismo institucional, pelas políticas de igualdade racial, pelas mulheres negras, pelas pessoas LGBT negras... É um dia de festa, mas de luta também", discursou Garófalo.

Melina Rocha Wuladesin'w, que coordena o corpo de baile com 26 pessoas, lembrou que a ala celebra a ancestralidade. "Para nós, a dança afro é política, que envolve corporeidade e memória. Este ano estamos trazendo ritmos afro-mineiros de origem banto para recuperar a memória do congado", contou.

Os ensaios duraram o ano todo, com direito a grupos de discussão e processos formativos. Entre os integrantes do corpo de baile está o ator Denilson Tourinho, que protagonizou no ano passado em São Paulo o musical de sucesso "Madame Satã". "O corpo de baile conta histórias, memórias. Mais do que dançar, contamos a origem negra. Nosso recado é: o que a gente tem ninguém tem", afirmou Wuladesin'w.

Ausência da rainha Cristal Lopez

Uma ausência foi sentida no desfile: a da rainha Cristal Lopez. A bailarina, performer e ativista trans, negra e periférica é considerada a grande diva da cultura em BH e rainha do Carnaval de rua da cidade.

O UOL apurou que Cristal Lopez não pôde comparecer no desfile por problemas de saúde. Seu nome foi bradado por integrantes do grupo com uma saudação de tambores durante o cortejo.

Nereu Jr/UOL
Bloco Angola Janga, em Belo Horizonte (MG) Imagem: Nereu Jr/UOL
 

Angola Janga tem a melhor bateria e vocalistas

A bateria do Angola Janga, sob regência de mestre Dio de Paula, foi a mais afinada e ritmada até o momento neste Carnaval belo-horizontino, em perfeita sintonia com as potentes vozes do bloco.

Ana Roberto, integrante do grupo de vocalistas ao lado de Samantha Luz e Paula Ditho, revelou que se concentrou durante uma semana para o desfile.

"Estudo e penso a consciência do povo preto. Para vir para a avenida e passar o que estamos sentido", pontuou. "O Angola Janga hoje é um dos maiores blocos de Belo Horizonte. Ver um bloco afro arrastar milhares de pessoas é emocionante e gratificante. O Angola Janga tem um papel social nesta cidade, de trazer o povo preto da periferia para o centro de BH", concluiu Roberto.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Arcanjo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo