CarnaUOL

São Paulo

Com 4 escolas entre as favoritas, apuração do Carnaval de SP começa às 16h

Simon Plestenjak/UOL
Imagem: Simon Plestenjak/UOL

Do UOL, em São Paulo

13/02/2018 08h33

A briga pelo título do Carnaval de São Paulo deve ficar entre Império da Casa Verde, Mocidade Alegre, Vai-Vai e Dragões da Real. Outras duas escolas, Acadêmicos do Tatuapé e Rosas de Ouro, correm por fora. A apuração do desfile paulistano começa às 16 horas, com acompanhamento do Placar UOL.

A Tricolor Independente, que fez a sua estreia no grupo especial, tinha tudo para iniciar em grande estilo seu desfile na elite do samba paulista, mas o filme de terror do enredo acabou virando pesadelo na vida real da escola.

O elemento da comissão de frente quebrou e teve de ser rebocado por uma empilhadeira. O uso de equipamento estranho ao desfile levou a escola a perder 1,2 ponto, e o incidente ainda pode comprometer as notas de harmonia, evolução e alegoria, apesar de a agremiação ter terminado o desfile dentro do tempo máximo de 65 minutos.

As favoritas

Império fugiu das homenagens tão presentes no Carnaval deste ano e se inspirou na Revolução Francesa e no musical "Os Miseráveis". Na Avenida, passaram a riqueza dos fidalgos e as mazelas do povo. O luxo e o cuidado com fantasias e alegorias, marcas registradas do carnavalesco Jorge Freitas, estavam presentes em todos os carros.

A comissão de frente surpreendeu ao decepar a cabeça do bobo da corte (representante do povo) -- o efeito deu muito certo na avenida. O abre-alas mostrou cavalos gigantes com movimento, baile da nobreza… Mas a alegoria seguinte já destacava a pobreza. No quarto carro, as atenções se voltaram para a escultura de um elefante imponente, representando a Bastilha.

Em sua homenagem à cantora Alcione, a Mocidade Alegre dividiu seu desfile entre a vida da artista e São Luís do Maranhão, cidade natal da Marrom. Chamou a atenção pelas alegorias, fantasias e, como sempre, empolgou o público com as paradinhas coreografadas da bateria do mestre Sombra.

O colorido na avenida ficou por conta das fitas, santos e culinária --fazendo referência à cultura local da cidade. A parte musical do desfile foi marcada por algumas alas musicais e um carro com sósias de Alcione e amigas, como Maria Bethânia, Leci Brandão e Nara Leão -- a artista mesmo veio no último carro.

Mais um pouco da história do Brasil veio com a apresentação da Vai-Vai. Porta-bandeira com referências a Nossa Senhora, alas de cardeais, freiras, freis e até pagador de promessas, no enredo em homenagem a Gilberto Gil.

O samba-enredo não falava de Gil, propriamente, mas das letras de suas canções. A vida do artista foi retratada em alas e carros, como o do Sítio do Pica-Pau Amarelo. Destaque também para o carro do exílio. Ratos, urubus, caveiras faziam referência ao horror vivido pelo cantor.

O desfile da Dragões da Real não foi surpresa para muitos. Afinal, a escola, que foi vice em 2017, tem feito belas apresentações em busca do título inédito. Mas buscar é uma coisa e conseguir é outra.

Além de ter um dos melhores sambas desse ano, para homenagear os sertanejos, a Dragões levou para a avenida plantações, criações de galinha e famílias caipiras, em um enredo de fácil identificação com o público.

A história contada na comissão de frente teve continuação no abre-alas, com encenação de uma típica família sertaneja. Sérgio Reis veio ali, no alto, tocando o berrante e ouvindo os gritos do público. Roberta Miranda, outra sertaneja de peso, marcou presença em outro carro. O show teve direito a festa de São João e quadrilha com casamento e tudo!

Na luta pelo bi

Grandiosa, colorida, feliz e com acabamento impecável, a Acadêmicos do Tatuapé chegou ao Anhembi com todos os requisitos para disputar o bicampeonato. Homenageando o Maranhão, a escola, campeã de 2017, fez paradinhas e paradonas, provando que os componentes estavam afinadíssimos com o samba.

A agremiação da zona leste mostrou as belezas da fauna e da flora do Estado, mas também as mazelas da época da escravidão, as tradições religiosas e o folclore da região.

Rosas de Ouro complicou o páreo levando para o sambódromo a vida dos heróis das estradas, os caminhoneiros. Na comissão de frente, a cena da mulher e do filho à espera do pai, que viaja pelas curvas do Brasil, refletiu a realidade de quem vive pelas estradas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está fechada

Não é possivel enviar comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Da Redação
Da Redação
Da Redação
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Agência Estado
Agência Estado
Agência Estado
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
BBC
Topo