CarnaUOL

Blocos de rua

Egito no Rio: Fãs recriam cortejo e fazem homenagem ao Viemos do Egyto

Marcelo de Jesus/UOL
Bloco Saímos do Egyto tem predominância das fantasias douradas e levou pop e funk ao Rio, até o fim da madrugada Imagem: Marcelo de Jesus/UOL

Lola Ferreira

Do UOL, no Rio

14/02/2018 07h55

Por mais que girem em torno do mesmo país, o Saymos do Egyto não tem a ver com o Viemos do Egyto. Em 2018, a falta de verba impossibilitou a saída do Viemos do Egyto, o original, pelas ruas do centro da cidade do Rio de Janeiro.

Inconsoláveis, os fãs do bloco armaram um manifesto: Saymos do Egyto. Com a mesma proposta, o novíssimo bloco fez sua apresentação na madrugada desta quarta (14) no centro do Rio. O local escolhido como ponto de encontro para os adeptos do manifesto foi o Real Gabinete Português de Literatura, biblioteca pública do centro do Rio. O mesmo quarteirão também abriga um prédio da UFRJ e o teatro João Caetano.

Tradicionalmente, o Viemos do Egyto desfila no último dia do Carnaval. Na paleta de cores há predominância de dourado, azul e preto, já que são cores que remetem ao Egito Antigo, e durante o cortejo do bloco é possível ver foliões em total sintonia com a proposta: fantasias elaboradas e maquiagem pesada. Este ano, porém, o fãs ficaram órfãos do bloco que, sem dinheiro, não se apresentou no Rio. O abandono rendeu bons frutos. Para Cleber Reis, um dos fãs idealizadores do Saymos, o manifesto foi a forma encontrada para não deixar de homenagear o Egito.

“É importante trazermos para a rua essas referências na terça de Carnaval para terminar a festa bem brilhante e livre, até porque a rua é nossa. Por isso ficamos tristes quando soubemos que o Viemos não iria desfilar, e pensamos: temos que fazer algo!”, destaca ele.

E fizeram. O bloco Saymos do Egyto reuniu centenas de foliões que apresentaram fantasias com muito dourado, e adereços bem elaborados em homenagem ao Egito.

Mariano Pimentel, 42, se preocupa com a fantasia todo ano. Ele diz ser uma forma de resistência.

“A gente está num período horrível no Rio de Janeiro, de repressão, então a gente precisa caprichar muito para valorizar o que está acontecendo aqui neste momento. A melhor forma de mostrar que a gente existe é estar lindo”, destaca ele que confeccionou a fantasia de faraó especialmente para o bloco.

A cearense Renata Zilá, 37, já morou no Rio de Janeiro mas nunca aproveitou o Carnaval na cidade. Ela escolheu o Saymos por influência dos amigos, que também dedicam a terça às fantasias douradas. Pela primeira vez na bloco, a consultora ostentou uma fantasia caprichada. Mesmo sem saber se o oficial sairia.

“Independentemente de ter ou não, pensamos: vamos nos fantasiar e ir para o bloco!”, ressalta a moça que aprovou o primeiro carnaval carioca.

Com muito pop e funk, o bloco se apresentou até as 5h para um público animado que não se deixou abalar pela chuva que caiu no Rio nesta madrugada.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Arcanjo
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
Topo